Óculos 3D exclusivo de Star Wars Variedades

A Lucas Arts lançou mais um produto que vai deixar todos os fãs de Star Wars loucos para ter. Agora eles resolveram explorar o lançamento em 3D de Star Wars: Episódio I – A Ameaça Fantasma e lançar um óculos 3D promocional do filme.

Os óculos tem a forma dos óculos usados pelos corredores de pod de Tatooine, mas especificamente os usados por Anakin. Eles podem ser usados para ver filmes no cinema e também em algumas TV’s 3D. Mas a melhor parte é que os óculos são incrivelmente baratos, custam apenas US$9,95 no site da Amazon.

Agora imagina que legal deve ser ir ao cinema assistir o filme e enquanto todos a sua volta usam os óculos normais (e sem graça) que o cinema entrega você está com óculos de pod?

Fonte: Nerdice

Amazon começa a negociar vendas de livros brasileiros

Ao que tudo indica, a Amazon está chegando forte ao mercado brasileiro. A empresa, que já oferece serviço de computação em nuvem no Brasil e na América do Sul, sonda escritores nacionais após não obter sucesso nas negociações com as editoras brasileiras – mesma estratégia adotada nos Estados Unidos.

Augusto Cury é um dos autores de autoajuda que mais vende livros no Brasil (Foto: Reprodução)Augusto Cury é um dos autores de autoajuda que mais vende livros no Brasil (Foto: Reprodução)

As informações são da coluna Radar, assinada pelo jornalista Lauro Jardim, na revista Veja. Segundo ele, o autor de autoajuda Augusto Cury, que já vendeu mais de 15 milhões de exemplares, já foi procurado pela Amazon. No entanto, a empresa não consultou sua editora Planeta e o autor ainda não definiu um acordo.

Paulo Coelho é um dos autores brasileiros cuja versão digital de suas obras são vendidas pela Amazon (em português, espanhol, francês e alemão). A exceção nas vendas é “O Aleph”, seu último livro.

Como é feito nos Estados Unidos, o best seller e outros autores terão seus livros vendidos sem que suas editoras interfiram.

Fonte: TechTudo

Gadgets para nerds que curtem cerveja

Sabemos que muitos dos NERDs não dispensam uma cervejinha nos fins de semana. Que tal, então, combinar duas grandes paixões: a cerveja gelada e os gadgets? Foi mais ou menos isso que o pessoal do blog Eu Bebo Sim fez (dica de Alvin Shiguefuzi). Confira a lista abaixo e adicione um toque tecnológico ao momento do bar com os amigos!

gadget01

Começamos pelo Opena Case, que nada mais é do que um case para o iPhone 4 que conta com um abridor de garrafas integrado. O case é tão bem bolado que o abridor, localizado na parte interna, se integra ao aspecto visual do telefone. Os interessados podem solicitar o envio para o Brasil no site oficial do produto. Preço: AUS 39,95, ou R$ 75 segundo a atual cotação do dólar australiano (16/01).

gadget02

O Beer Savers tem um objetivo muito simples: “salvar” a cerveja que ainda está na garrafa. Vamos supor que você tenha aberto aquela gelada antes do jogo de futebol na areia. Você não vai querer desperdiçar o líquido restante na garrafa, certo? Logo, uma solução bem simples e eficaz são essas tampinhas, que evitam o desperdício. Você pode adquiri-las também através do site oficial. Preço: US$ 6,99, ou cerca de R$ 13, o kit com seis tampinhas (ou six-pack).

gadget03

O Mugen Beer tem mais efeito moral do que colateral. Ele é um chaveiro com um mecanismo que simula a abertura de uma latinha. Quando você puxa a alavanca, ele reproduz o som de uma lata de cerveja gelada se abrindo. Tá, não é lá muito útil para matar a sua sede, mas, se você estiver no escritório em uma sexta-feira, já pode começar a preparar o seu paladar. Ele está a venda na Amazon. Preço: US$ 9,95, aproximadamente R$ 18.

gadget04

O Beer Hour é um gadget que muitos gostariam de ter em casa. Ele é um adaptador com dispenser integrado, que facilita todo o processo de servir a cerveja para seus amigos. Em vez de abrir a lata pelo modo tradicional, tudo o que você precisa fazer é encaixá-la no adaptador, acionar uma chave, e pronto! Cerveja sendo servida pelo dispenser. Simples, prático e original. Você pode adquirir o dispositivo pela Japan Trend Shop. Preço: US$ 37, ou R$ 66.

gadget05

Por fim, o Beer Vap Catcher pode até parecer exagerado no tamanho, mas cumpre uma importante missão: recolher, de forma eficiente, todas as tampinhas das cervejas que você consumiu. O produto conta com um compartimento específico, que automaticamente recolhe as tampinhas. Ao final do uso, é só jogar fora (ou colocar as preciosas na coleção). Disponível aqui. Preço: US$ 9,99, aproximadamente R$ 18.

Fonte: Eu Bebo Sim

As 7 maravilhas da internet

De todas as coisas épicas já criadas pelo homem, a internet foi uma das mais revolucionárias (#fuckyeah). Não só pela parte tecnológica envolvida, mas porque ela redefiniu comportamentos e quebrou paradigmas EM TEMPO RECORDE, como nenhuma outra coisa na história da humanidade. No mês do aniversário da internet Pois aqui vai uma retrospectiva ~temática~ de todos os marcos que tornaram a web o que ela é hoje e revolucionaram o modo como nos relacionamos, comunicamos, buscamos, compartilhamos informações e, enfim, VIVE!

INTERNET ANTIGA (até 2000)

// WWW
A criação de Tim Berners-Lee (o moço ali da foto) foi o primeiro passo para a expansão e a popularização da internet no começo dos anos 90. Antes disso, ela era restrita aos governos e universidades. A World Wide Web nada mais é do que a tal rede mundial de computadores (sic). Basicamente, ela conecta as máquinas e compartilha informações em todo o mundo por meio de hiperlinks. Ou seja, sem WWW, a internet que conhecemos hoje não existiria! Agora, pare para fazer as contas e perceba que essa criação tem 21 anos (provavelmente, quase a sua idade) e que o criador dela está vivo – quantas pessoas que mudaram o mundo como Berners-Lee ainda estão vivas nos dias de hoje?

// E-MAIL
Antes do email ser do jeitinho que é hoje, havia uma forma de compartilhamento de informações meio diferente. Tava mais pra “deixar recados nas pastas das pessoas”, do que “enviar uma mensagem”. Em 1972, Ray Tomlinson desenvolveu uma forma mais simples de enviar recados, seguindo a lógica de enviar uma mensagem para alguém em algum lugar com o uso da @ (que, em inglês, se fala “at” e equivale à proposição “a” em português), e o endereço era nomedousuário@computadordousuário.

Com redes sociais, IMs, SMSs e recados em murais rede afora, tem quem diga que o e-mail está morrendo (snif!). De acordo com a ComScore, o uso do email entre o público jovem caiu 24% no último ano, ou seja, é provável que daqui a pouco apenas os velhos (leia-se, pessoas com mais de 30) e os spammers continuem mandando email. 🙂

// CHAT
Oi, qr tc? 🙂 Se as mensagens instantâneas acabarem mesmo com o email, a culpa é dessa criação de 1988. Popularizado como mIRC (que é um cliente de IRC), o bate papo em tempo real era dividido por assuntos separados por canais que funcionavam como salas. No fim, o programa se popularizou meio que no estilo bate-papo Uol, com as salas mais bombadas divididas por cidade. Aliás, falando em bate-papo Uol, ele só existe graças ao IRC, assim como o saudoso ICQ, o MSN Messenger, o Gtalk, o IM do Facebook…

// NAPSTER
Quem nunca baixou um mp3, que atire o primeiro CD! E, se você já fez isso, saiba que quem tornou isso possível foi o Napster em 1999, primeiro programa que permitiu que a galera trocasse e baixasse arquivos de música. Depois do Napster, vieram mais outros tantos serviços parecidos – Kazaa, Limewire, iMesh, o brasileiro eMule, o sensacional sistema de Torrent -, mas foi ele que deu o pontapé inicial pra crise na indústria da música (por assim dizer) e pra discussão sobre download de conteúdo e pirataria. O criador do Napster foi perseguido, processado e teve que encerrar as atividades em 2001, mas o legado de compartilhamento de mídia online que ele criou ainda vive. Inclusive, mais de 10 anos depois, ainda não se sabe direito como lidar com o conteúdo autoral na web. Apesar de já haver punições previstas em lei (no Brasil, a lei dos direitos autorais, que também se aplica à web, é esta), a legislação é vaga e a discussão é grande.

// BLOG
O nome vem de weblog, algo como “registro da web“, e teve início em 1997. A ideia inicial era reunir em uma página outras páginas interessantes, mas esse tipo de site acabou se popularizou mesmo com um diarinho (quem nunca?). Algum tempo depois, vieram os blogs de opinião, os temáticos, os colaborativos… os blogueiros foram se tornando referência em produção de conteúdo, (alguns) se profissionalizaram e (alguns) se tornaram mais influentes do que veículos antigos e estabelecidos. Os blogs foram o primeiro passo da “eu mídia” e do climão de ”do it yourself” que hoje é palavra de regra na internet. (Ah, sem contar que os blogueiros foram o 1o tipo de webcelebridade de que se tem notícia, neam?)

// YAHOO!
Em 1994, os universitários David Filo e Jerry Yang começaram a indexar seus sites preferidos em categorias separadas, para que se tornasse fácil de encontrá-los. Assim nascia o primeiro sistema de buscas de sites que, apesar de ter sido MASSACRADO pelo Google, foi responsável pela invenção tornou a internet o lugar onde você pode encontrar de tudo, bastando BUSCAR.

// AMAZON
Houve um tempo em que fazer compras sem sair de casa era coisa dos Jetsons. Até que surgiu o Amazon, em 1995, que começou vendendo livros e, 4 anos depois, passou a vender DE TUDO. Com seu sistema simpático de reviews de produtos feito pelo próprio usuário e a inteligência do “quem-comprou-isso-também-comprou aquilo“, a Amazon foi o site que popularizou as compras online e fez muita gente passar confiar a entrega do número do cartão para as lojas virtuais.

INTERNET MODERNA (pós 2000)

//BANDA LARGA
Ah, o saudoso barulho do modem… NOT! Só quem viveu a época da internet discada lembra o quanto os minutos entre 23h58 e 00h00 eram os mais demorados EVER, o suspense pra abrir uma fotinho, o poder da reza para a internet não cair depois de mais de uma hora baixando uma música… Então Deus disse “faça-se a banda larga, manolo” e acabou com toda essa ~mágica~ dos primórdios da web. Apesar de já ser um “recurso” disponível há pelo menos 10 anos, a velocidade média de navegação do brasileiro é de apenas 105KBps, nem metade das cidades do Brasil têm banda larga e ainda um dos países que paga mais caro pelo serviço.

// YOUTUBE
Com a  popularização da banda larga, ficou mais fácil e rápido subir e baixar conteúdo da internet. É nessas que o Youtube aparece. A melhor definição de “como o primeiro site de hospedagem e exibição de vídeos mudou a internet” é da revista Time de novembro de 2006, que o elegeu a maior invenção do ano por “criar uma nova forma para milhões de pessoas se entreterem, se educarem e se chocarem de uma maneira como nunca foi vista“. O Youtube desglamourizou os famosos, lançou anônimos à fama, desbancou a MTV como canal oficial de videoclipes, criou tendências (como o Mentos+Coca Cola ou o desafio de comer canela) e fez com que todo mundo pudesse pelo menos tentar ter seus 15 minutos de fama wébica.

// GOOGLE
Em 12 anos, o Google passou de “apenas mais uma startup de internet” para, LIKE A BOSS, ownar a internet inteira. De mero sitezinho de buscas, o Google hoje tem uma mãozinha (enorme) em todas as partes de internet: o próprio Youtube, redes sociais (Orkut e Google+), programas de anúncios (AdWords e AdSense), criação, edição e compartilhamento de documentos (Docs), análise de tráfego na web (Insights, Trends e Analytics), exploração do universo (Google Mars e Google Moon) e do próprio planeta Terra (Google Maps, Street View e Earth), além de milhões de outras coisas. Todo esse domínio do Google gera muita discussão sobre privacidade, mapeamento de pessoas, superexposição… afinal, se você parar pra pensar, praticamente tudo que você faz hoje na internet requer um login do Google. Ou seja, TENHA MEDO, bebê!

// WIKIPEDIA
Se fosse para escolher um marco na web 2.0, provavelmente seria a Wikipedia. Criada em 2001, a enciclopédia online inaugurou a era do colaborativismo na internet e colocou na mão de TODOS NOZES a possibilidade de ser o emissor e editor da informação formal e didática. A ideia do conhecimento compartilhado chegou aos grandes portais de notícias, que passaram a aceitar matérias feitas e enviadas por leitores (e foi uma das causadoras da crise do jornalismo), deu origem a sites de coletivos e descentralizou a informação – mas também permitiu que muita besteira seja publicada por aí por falta de apuração ou trollagem mesmo. (PS – Um estudo mostrou que o índice de erros da Wikipedia é similar ao de grandes enciclopédias)

// REDES SOCIAIS
Essa talvez seja uma das coisas mais maravilhosas da Internet moderna. Até o surgimento delas, as relações interpessoais na internet estavam restritas aos chats e a audiência das pessoas-enquanto-emissores-de-informação era restrita. A primeira rede a estourar no mundo foi o Orkut (em 2004), mas foi o Twitter e, mais recentemente, o Facebook que realmente mudaram a regra do jogo. As redes sociais se tornaram o maior reality show de que se tem história e inauguraram a “era da superexposição”, onde todo mundo expões compartilha detalhes de suas vidas EM TEMPO REAL sem medo de ser feliz (porque infeliz em rede social ninguém é).

// WEBCELEBRIDADES
E com toda essa história de “eu mídia”, de superexposição e compartilhamento, eis que surge o papel da webcelebridade, aquelas pessoas que ficam famosas na/via internet (fazendo algo edificante ou não). Há quem diga que ser famoso na internet é como ser rico no Banco Imobiliário, mas o blogueiro é o novo rockastar, tem um monte de arroba ganhando grana vendendo 140 caracteres de propaganda e outras tantas webcelebs faturando com presentes, participações na tv e afins. As webcelebs representam o fim do monopólio sobre quem é FORMADOR DE OPINIÃO. Antes restrito as celebs de televisão, o poder de influenciar massas está democraticamente espalhado nas mãos de qualquer um que tenha capacidade de se tornar influenciador. 🙂

// INTERNET MÓVEL
E, pra fechar, aqui está a coisa mais revolucionária e maravilhosa da internet… aquela que vai com você. Hoje em dia, não dá mais pra pensar em “quanto tempo do dia ficamos conectados”, nós SOMOS conectados. Com 3G, wifi zones e smartphones, todo mundo está CONSTANTEMENTE CONECTÁVEL, eliminando as barreiras entre o mundo online e o mundo offline e compartilhando totalmente sua vida através de aplicativos cada vez mais inteligentes. No Brasil já são mais de 220 milhões de linhas habilitadas e o mercado de smartphones cresceu quase 80% só no primeiro semestre de 2011. Ou seja, estamos num caminho sem volta de supercompartilhamento de informações e conectividade… um cenário que nem os Jetsons imaginava viver. 😛

E aí, quais você acha que são as maravilhas da sua internet? Compartilha aí na caixa de comentários, mais uma das coisas maravilhosas a nossa disposição na web! 🙂

Fonte: YouPix

E se os site fossem super heróis?

Temos algumas hilárias ilustrações da liga da justiça wébica feitas por Now Caldwell Tanner.

O que mais gostei é o Faccebook, o bilionário excêntrico que todo mundo usa, arqui inimigo 4Chan e Tumblr. huashuashusha

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fonte: FlavorWire

Comparação entre os maiores sites

 

Sim, como sabemos eu amo infográficos, e pra começar bem mais uma a sexta feira estou postando um que confronta alguns dados dos maiores sites do planeta.

%d blogueiros gostam disto: