Anúncio da TNT já é o segundo mais compartilhado de todos os tempos

O ótimo vídeo criado para promover o TNT Drama já é o segundo mais compartilhado de todos os tempos, perdendo apenas para o épico anuncio da VW veiculado no Super Bowl 2011  “A Força“.

David Waterhouse, diretor de conteúdo da Unruly, diz o anúncio TNT – chamado de “A surpresa dramática em uma rua tranqüila” – pode muito bem ultrapassar “A Força” em breve já que um em cada sete pessoas que viram “Surpresa” compartilhou contra um em cada 12 para “A Força”.

O anúncio TNT, caracterizado acima, se passa em uma “pequena cidade na Bélgica” em uma “praça onde nada acontece“.Foi colocado um grande botão vermelho lá convidando os transeuntes: “Aperte para um drama “.

O anúncio, que apareceu no YouTube em 11 de abril, agora é de até 21,5 milhões de visualizações.

Fonte: Mashable

Social game te da um ideia de como é ser um produtor musical

A área free do game é bacana, mas bem limitada, porém você pode comprar o resto por preço baixo, como os aplicativos de celular.

Os amantes do Songster, que mistura aplicativo musical de edição e jogo, já encontram o game disponível no Facebook. O internauta consegue criar músicas a partir de faixas pré-programadas. O usuário tem disponível um pequeno número de recursos disponível, mas com o tempo é possível comprar mais músicas para edição, com moeda virtual ou dinheiro real.

Songster permite montar canções baseadas em estilos como rock, hip hop, eletrônico e mais. Entre as opções de modificação estão faixas de vocal, guitarra, baixo e bateria. O game é criação de Marshall Seese, diretor da produtora Mowgli.

“Eu quis permitir a qualquer um não apenas a criação de sons, mas também de grandes músicas. Os jogos sociais me pareceram se encaixar bem neste conceito de criação de usuários”, comentou o produtor ao site Mashable.

Fonte: Mashable

CNN quer comprar Mashable para conquistar público jovem

A CNN comprará o Mashable, um dos maiores sites de notícias sobre tecnologia e mídias sociais, por mais de US$ 200 milhões, segundo reportagem da Reuters. Fontes ouvidas pela agência indicam que a negociação pode ser fechada nesta terça-feira.

A notícia, apesar de largamente repercutida na imprensa internacional, não é recebida com grande surpresa. Vê-se nessa aquisição (ainda não confirmada oficialmente por nenhuma das partes) uma clara tentativa da CNN de se aproximar de um público jovem ligado à tecnologia e às redes sociais. Seria uma maneira de conquistar quem tem ignorado a CNN como um dinossauro, conforme observa o The Telegraph.

Se a compra se concretizar, a CNN estará sob os holofotes da imprensa especializada em tecnologia, que assistirá atentamente ao modo como uma das maiores TVs do mundo usará o Mashable em seu favor.

Tentativas semelhantes a essas falharam no passado. E nem é preciso ir muito longe para se lembrar de uma: a fusão da Time Warner (proprietária da CNN) com a AOL, em 2000, não rendeu frutos. Nove anos depois, o que seria uma das maiores organizações de mídia do mundo simplesmente morreu. A compra do MySpace pela News International é outro exemplo de empreendimento malsucedido.

Pete Cashmore, presidente do Mashable

Para o The Telegraph, a CNN deve fazer um trabalho melhor se deixar o Mashable ser o que ele já é, em vez de forçá-lo a se colocar em uma nova forma.  Mas grandes empresas de notícias que se aproveitam do sucesso de startups (jovens empresas como Mashable) “frequentemente acabam se parecendo com um pai que pede ao filho o iPod emprestado para ir a uma festa do escritório”, diz o jornal.

Duas fontes familiares ao assunto ouvidas pelo Financial Times acreditam ser improvável o fechamento de negociações nesta semana. Elas também minimizam a expectativa de que a CNN pagaria US$ 200 milhões pelo site de tecnologia. O presidente do Mashable, Pete Cashmore (também conhecido como o Brad Pitt da blogosfera) também nega os rumores de que seu site seja vendido nesta semana, mas deixa aberta a possibilidade de o negócio se concretizar depois, segundo interpretação do New York Times.

O FT lembra que, depois de separada da Time Warner, a AOL pagou US$ 25 milhões pelo TechCrunch, também um dos blogs de tecnologia mais renomados na web. Mas, tendo em vista como esse negócio tem caminhado (alguns acreditam que o blog perdeu seu valor depois de vendido), a CNN pode não estar na corrida para comprar o rival do TechCrunch por oito vezes mais dinheiro, opina o jornal.

Fonte: Estadão & LazyTechGuys

%d blogueiros gostam disto: