A cadeia de (DES)consumo

Numa cadeia desenfreada de consumo nos preocupamos com nossos desejos. As necessidades básicas. Nem lembramos. O que importa é o desejo. O modelo de negócio do mercado é baseado em EXTRAÇÃO – PRODUÇÃO – CONSUMO – DESCARTE, num ciclo que tem fim. Onde é o fim? O fim é no planeta!O novo modelo pede a extração (PLANEJADA) – produção (SOB DEMANDA) – consumo (CONSCIENTE) – e ao invés de descarte – REAPROVEITAMENTO – REÚSO.Tão simples como tão complexo. Não quer dizer para parar de produzir, parar de consumir e de desejar. Mas o novo modelo pede um fator fundamental: inteligência. Para pensar antes de agir.Pense nisso! Quais são as suas opiniões sobre esta cadeia de consumo e a relação das pessoas com produtos, serviços, marcas? Até que ponto podemos chegar?

Pensei nisso ao rever  “Ilha das Flores”, o impactante documentário de Jorge Furtado sobre as relações de consumo e produção, cujo link disponibilizo logo abaixo. Enjoy it.

Nave de Star Trek pode salvar programa espacial americano

Conhecido apenas como “BTE-Dan”, este engenheiro sugeriu a construção da Enterprise, tradicional nave da série de TV e cinema Star Trek (Jornada nas Estrelas). Na última semana, entrou no ar o site Build The Enterprise, convocando a população americana para se mobilizar a favor do projeto. O objetivo deste plano é um só: criar uma versão real da USS Enterprise nos próximos 20 anos. A nave teria gravidade artificial, propulsores de ion e reatores nucleares. Com ela pronta, seria possível chegar a Marte em uma viagem de três meses.

Este é um rascunho de como seria a Enterprise da vida real (Foto: Reprodução)Este é um rascunho de como seria a Enterprise da vida real (Foto: Reprodução)

O autor não é considerado um “expert” no assunto, mas fez bem o dever de casa e revelou diversas fontes e áreas de pesquisa que podem ser úteis para quem se arriscar a desenvolver o projeto, incluindo seus custos. Afinal, não há como se construir algo baseado somente em um filme. Segundo ele, é preciso ter uma visão um pouco maior.

“É preciso observar de uma forma diferente o que queremos fazer ao mandar o homem ao espaço. Além disso, acredito que se vamos pedir às pessoas que ajudem a financiar isso, tem que ser um projeto com o qual os americanos se identifiquem e se inspirem”, explicou Dan.

O curioso é que o projeto, de fato, foi levado a sério por muita gente. O Build The Enterprise recebeu um número tão grande de visitas, que saiu do ar no último fim de semana. O autor da ideia, inclusive, lançou uma seção de perguntas e respostas para interagir com os visitantes interessados no projeto.

Via The Verge

%d blogueiros gostam disto: